sexta-feira, 3 de abril de 2020

Ouvir, acreditar e acolher

Encontrei esse depoimento na página "Quebrando o Tabu" no Facebook. Quem escreveu foi Bel Saide. Resolvi postar porque somente depois de tantos anos comecei a compreender todas as consequências na minha saúde, não só mental, mas também física.

Mental, principalmente o borderline e fisicamente: cistos nos ovários, pólipo e mioma.

Destaquei as partes mais importantes. Hoje, toda minha família sabe quem foram as pessoas que abusaram sexualmente de mim (marido da amiga da minha mãe, ex-marido da minha irmã e meu cunhado, marido da minha outra irmã mais velha). 

Não me senti acolhida e amparada em nenhum momento, pelo contrário. Praticamente adicionaram culpa. Meu jeito de ser, meus problemas e como tudo isso afetou outros familiares.

Não demonstraram qualquer preocupação comigo, como me senti durante todos esses anos, todo o estrago em mim não foi considerado. Somente tudo que causei à família.

Sempre tentam medir problemas e sofrimentos com uma régua, comparando e minimizando de acordo com o grau. Talvez se tivesse sido estuprada e não só abusada eu teria motivo suficiente. 

Resumidamente, a preocupação é que eu faça alguma "besteira" (leia-se: suicídio),  mas não porque me amam ou sou importante, mas sim pelo estrago que posso causar à família.

Por isso amei esse depoimento, ele explica tudo. Como posso me curar se nunca encontrei apoio naqueles que amo e mais precisei?

 Destaquei os meus pontos principais:


“Eu tinha uns 8 anos e fui abusada sexualmente pelo zelador do prédio onde morava.

Hoje tenho 38 e uns dias atrás almoçando com meu pai ele me perguntou se eu me lembrava disso.

É claro que eu me lembro.

Se passaram 30 anos e eu me lembro perfeitamente. 

Me lembro do nome dele: Expedito. Me lembro do rosto dele. E do volume do pau dele que ele acariciava com minha pequena mão. E da mão dele dentro do meu short alisando minha vulva ainda sem nenhum pelo. 

Ele entrava no elevador atrás de mim quando eu estava indo ou voltando das brincadeiras no play

Como na maioria dos casos de abuso infantil não houve estupro. 

Não sei quantas vezes foram, mas foram algumas. Não sei por quanto tempo aconteceu mas não foi por muito.

Antes disso começar a acontecer eu gostava dele, achava ele legal e talvez por um sorriso ou algum gesto carinhoso infantil ele se sentiu nesse direito. E isso durou apenas o tempo até eu perceber que ele não estava mais sendo legal e que tinha alguma coisa errada naquilo.

Tomei coragem e contei pro meu irmão.

"Vou te contar um segredo mas você vai jurar que não vai contar pro papai e pra mamãe"

Meu irmão é mais novo que eu. Se eu tinha 8 ele tinha 5 ou 6. Numa maturidade e sensatez improváveis para a idade ele percebeu que não podia cumprir o que havia me prometido e contou para minha mãe, que obviamente contou pro meu pai.

Me lembro bem desse dia também. Quem conhece meu pai sabe que ele é um cara calmo. Eu nunca havia visto e nunca mais vi meu pai daquela forma. Ele ficou transtornado, fora de si. Me lembro do rosto dele vermelho de raiva. Nunca em toda a minha vida vi ou soube do meu pai agredir fisicamente alguém. Ele desceu pelas escadas sem nem esperar o elevador, foi ate o pedófilo que trabalhava tranquilamente na portaria e esmurrou a cara dele. Subiu pra garagem, pegou a tranca do carro e voltou talvez disposto a matá-lo. Felizmente não deu tempo, pois o cara já havia fugido e nem a polícia nunca mais o achou (digo felizmente pelo meu pai, pela minha família, pelo desdobramento muito pior que teria sido).

Nesses 30 anos cresci, me tornei mulher, fiz faculdade, fiz amigos, namorei, amei, fui amada, tomei pé na bunda, tive dor de cotovelo, transei, gozei, tive filho, pari de parto normal, trabalho, realizo meus sonhos, não tenho vida perfeita mas sou muito muito feliz. 

Contei essa historia poucas vezes porque poucas vezes me lembro dela. 

Nunca senti que isso tivesse me refletido grandes problemas.

Não me sinto traumatizada.

Sou ginecologista, feminista e já conversei com muitas mas MUITAS mulheres que viveram abusos semelhantes.

Percebo que a maioria delas carrega uma dor profunda, em maior ou menor grau. Muitas têm como sequela dificuldades em diversos aspectos da vida, muitas desenvolvem sérias doenças ginecológicas em consequência. Eu menstruo sem dor. Meu útero é saudável.

Eu estranhava isso.

Por quê?

Será que elas são mimizentas e eu sou fodona? Não não, não mesmo. Vi isso em várias mulheres tão ou mais fodas do que eu. 

Será então que talvez eu esteja me iludindo e isso sim me influencie de uma forma terrível que não percebo e eu tenha um trauma em algum lugar que eu nem sei?

Meu pai até chegou a achar que eu havia apagado isso para não sofrer...mas não, eu me lembro bem!! 

Mas não sofro...

Me preocupei.

Então, numa sessão recente de ThetaHealing contei o fato à terapeuta e ela com uma técnica na qual através dos sinais do corpo consulta as memórias inconscientes confirmou que realmente eu não carregava aquilo. 

E então brilhantemente ela matou a charada: eu não tinha traumas, eu não me sentia sequer culpada porque eu fui IMEDIATAMENTE COMPLETAMENTE ACOLHIDA.

Por TODOS a minha volta.

Por meu irmão que mesmo tão pequeno me ouviu, acreditou em mim e cuidou de mim, levando o assunto a quem deveria levar, impedindo assim que aquilo se prolongasse ou piorasse. 

Por meus pais que nem por um segundo sequer duvidaram de mim, nem sequer me perguntaram nada. Até pelos vizinhos do prédio que sabendo de tudo nunca me abordaram com questionamentos de nenhum tipo, assim como não insinuaram que meus pais não me protegeram daquilo. Como eles poderiam me proteger? Me trancando dentro de casa? Ora, mas eu estava em casa, estava no meu prédio! Onde estamos nós mulheres protegidas? 

Eu era a vítima, completamente e o tempo todo a vítima. Uma criança indo brincar. Ele era o abusador. Ele e somente ele o culpado. 

Senti vergonha, mas não passei por constrangimentos.

Fui acolhida por meu pai que reagiu à altura e rapidamente.

Meu pai me contou nesse almoço que foi à delegacia prestar queixa. Eu não sabia porque ele não me levou! Ele não me submeteu a corpo de delito.

Fui acolhida até mesmo pela delicadeza dele em só tocar nesse assunto comigo agora que já sou adulta e bem adulta, ele sequer sabia exatamente o que havia se passado com detalhes. NUNCA havia perguntado. 

Na ocasião só quem conversou comigo foi minha mãe, que certamente notou que eu estava bem e, se mantendo atenta, deixou passar. Dos dias posteriores só me lembro do meu pai com a mão engessada. 

Eu sentia pena dele ter se machucado, mas sentia um certo orgulho, aquele gesso me recordava que eu tinha quem me protegesse.

O fechamento em mim dessa história 30 anos após nessa sessão terapêutica me traz profunda gratidão à minha família e profunda reflexão também, por isso precisava muito relatar isso. 

Nenhuma mulher - nem mesmo as inocentes meninas - está livre de passar por isso em nenhum lugar. 

Mas o grau de dilaceração na alma dessa mulher possivelmente seja variável de acordo com o que se sucede nos mínimos momentos imediatamente após.

Reflitam também.

Gratidão por me ouvirem.”

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Consegue preencher sem mentir?

Depois de um ano inteirinho sem aparecer por aqui, justo 2019 completando 10 anos de blog, aqui estou eu postando normalmente como se nada tivesse acontecido.

 A Sininhu me marcou numa brincadeira e a Tayra reforçou o convite. Relembrando nossos memes:


 

1. Qual foi a última coisa que colocou na boca?
Água

2. Onde foi tirada a sua foto de perfil?
Na casa da minha irmã

3. Pior dor física que teve na vida?
Quando era criança, estava sentada num balanço e prenderam uma mola de ferro acima de mim. Esticaram até o fim e soltaram. Veio direto no meu rosto...

4. Lugar preferido que já esteve?
Abraço da minha mãe

5. Até que horas ficou acordada na noite passada?
Passava da 1h30

6. Se você pudesse mudar para outro lugar, onde seria?
Alguma cidade do Interior

7. Quem dos seus amigos do Facebook mora perto de você?
Uma que costumo encontrar quando corro em grupo

8. Quando foi a última vez que você chorou?
Ontem, assistindo filme

9. Quem tirou a foto do seu perfil?
99% das minhas fotos sou eu mesma que tiro

10. Qual é a sua estação do ano preferida?
Primavera

11. Se você pudesse ter qualquer carreira, qual seria?
Qualquer uma que envolvesse o corpo em movimento, como dança ou esporte

12. Qual foi o último livro que leu?
Correr - Dráuzio Varella

13. Se você pudesse conversar com qualquer pessoa neste momento, quem seria?
Minha mãe

14. Você é uma boa influência?
Não

15. Abacaxi fica bom na pizza?
Para quem gosta, sim

16. Você tem o controle remoto, qual canal você escolhe?
Dou uma passada por todos os canais e acabo desligando 

17. Pessoas que gostaria que brincassem também:
Você! Você mesmo que está lendo, e se fizer me mande!

18. Último show que foi?
Faz tanto tempo que nem me lembro. E aproveitando o assunto, só gostaria de dizer que vou sofrer agora em Março por não ter conseguido ingresso para o show dos BSB

19.Último filme que viu no cinema?
Escape Room

20. Série/novela que está vendo?
Nenhuma

21. Tipo de comida?
Italiana

sábado, 22 de dezembro de 2018

Related Posts with Thumbnails